TRATAMENTO

1 - Objetivo Geral

Oferecer atendimento especializado e humanizado em saúde mental e dependência química alcoolismo.

2 - Objetivos Específicos
  • Proporcionar atendimento integral ao usuário do Serviço de Saúde Mental através da Equipe Multiprofissional;
  • Promover a Reinserção Social do usuário com sofrimento psíquico em sua família e comunidade, através da atuação interdisciplinar da equipe;
  • Promover maior humanização à assistência em Saúde Mental;
  • Auxiliar aos Familiares, enfocando o papel da família no tratamento de saúde mental e capacitando-a a envolver-se com o usuário na busca de uma vida mais saudável;
1 - Funcionamento

O Instituto Espírita Batuíra de Saúde Mental atende 24 horas, todos os dias da semana.

1 - Internação

O paciente é encaminhado para internação através da porta de entrada única do sistema de saúde através do Pronto Socorro Wassily Chuc.

Ao chegar ao Batuíra ele é acolhido pela recepcionista e encaminhado ao médico plantonista para uma avaliação.

Em caso de internação, o mesmo é encaminhado a um técnico de enfermagem, enquanto sua família recebe o restante das orientações sobre o tratamento.

Nos casos em que o médico constata a necessidade urgente de outro tratamento, o paciente é encaminhado para outros serviços.

Internado, ele recebe de um funcionário da equipe de enfermagem um enxoval que irá utilizar na internação, tais como: toalha, roupas, sandália, escova dental, sabonete, desodorante, creme dental, shampoo, papel higiênico, creme para o cabelo, aparelho de barbear, absorvente íntimo (se for o caso).

Durante o dia são oferecidas cinco refeições: lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e lanche noturno.

O paciente é acompanhado por um médico assistente e um médico clínico. Cada paciente é referenciado por um profissional de nível superior, responsável por fazer o seu projeto terapêutico e acompanha-lo durante toda a internação. A alta é feita sob a responsabilidade do médico assistente e do referido técnico.

No decorrer da semana o técnico referente acompanhará o paciente, juntamente com o médico assistente quando deverá:

· Acolher o paciente, buscando o estabelecimento de vínculo com o mesmo;

· Realizar Anamnese;

· Diagnosticar e prescrever a medicação;

· Apresentar os Grupos Terapêuticos e, consequentemente encaminhá-lo àquele que o paciente desejar.

Toda a equipe de Técnicas Referentes reúne-se semanalmente para discutir e propor o Projeto Terapêutico individualmente dos novos casos e realizar o estudo dos casos em andamento.

Na elaboração do Projeto Terapêutico Individual são observadas as demandas iniciais do paciente sendo que o mesmo orientado a experimentar alguns Grupos Terapêuticos que mais lhe interessar, e permanecer naqueles pelos quais faça a opção.

Seguindo o compromisso de cumprir os preceitos que pressupõe a lei da Reforma Psiquiátrica, os pacientes que saem de alta são acompanhados no tratamento em meio aberto, no que se refere ao encaminhamento aos CAPS e na defesa dos direitos daqueles que precisam de um apoio das prefeituras do interior. Todo paciente que reside em outra cidade recebe o encaminhamento ao CAPS com um boletim informativo com citação da lei da LOAS, que garante o seu direito de ganhar dos prefeitos o financiamento do seu tratamento, se em sua cidade não existir um serviço de saúde mental.

2 - Técnico Referente

No decorrer da semana acompanhará o usuário, juntamente com o médico assistente quando deverá:

  • Acolher o usuário, buscando o estabelecimento de vínculo com o mesmo;
  • Apresentar os Grupos Terapêuticos e, consequentemente encaminhá-lo àquele que o usuário desejar;
1 - Grupos Terapêuticos
  • Manter os grupos terapêuticos e/ou criar novos grupos: Grupo de consciência corporal. Tais grupos estão relacionados a seguir:
2 - Reunião de Família
  • Realizar todas as sextas-feiras, a partir das 8h com a presença dos profissionais: assistente social, supervisor de enfermagem, psicólogo e médico assistente. O objetivo da reunião é informar aos familiares às normas e rotinas do Instituto, esclarecer dúvidas sobre as doenças, o tratamento e também incentivar o fortalecimento de laços afetivos entre usuários e seus familiares, quando necessário.
3 - Grupo de Dependência Química
  • Realizar quinzenalmente pelo serviço de psicologia para os dependentes químicos alcoolistas e/ou usuários de outras drogas, com o objetivo de acolher e trabalhar as relações afetivas, sociais, pessoais, profissionais, familiares e culturais. Coordenado pelo setor de Psicologia.
4 - Grupo de Alcoólicos Anônimos
  • Realizar quinzenalmente, com o objetivo de sensibilizar os dependentes químicos, alcoolistas sobre a questão da dependência, através da troca de experiências. Coordenado por voluntários, membros de AA em parceria com o setor de Psicologia.
5 - Grupo Vivências Expressivas
  • Realizar semanalmente, aberto a todos os usuários e tem como objetivo oferecer atividades que busquem a consciência de si e do mundo, via livre expressão, vivências concretas e posicionamento crítico e criativo.
6 - Grupode AVD’s (Atividades de Vida Diária) e AVP`s (Atividades da Vida Prática).
  • Realizar semanalmente sob a coordenação da Terapia Ocupacional. Os usuários serão orientados para compras, transportes públicos, pagar e receber dinheiro, falar ao telefone, utilizar computador, marcar consultas, além de ajudar na independência, autoestima e auto cuidado, através da participação em diversas atividades que são realizadas nos diferentes núcleos.
7 - Grupos Operativos (Oficina de manutenção)
  • Realizar semanalmente sob a coordenação da Terapia Ocupacional. Os usuários serão orientados para compras, transportes públicos, pagar e receber dinheiro, falar ao telefone, utilizar computador, marcar consultas, além de ajudar na independência, autoestima e auto cuidado, através da participação em diversas atividades que são realizadas nos diferentes núcleos.
8 - Sócio-Cultural
  • Realizar sob a coordenação da Terapia Ocupacional aberto a todos os usuários em regime de internação. Ocorre semanalmente, com o objetivo de proporcionar atividades internas e externas (caminhadas, passeios, biblioteca, eventos culturais, teatro, entre outras), além de incluir palestras educativas e instrutivas de diversas áreas para aprendizado e esclarecimento de dúvidas, exercitando a capacidade crítica, as relações sociais e a diminuição do estigma com relação à loucura. Proporciona a interação do usuário com o ambiente externo e seus sentimentos em relação com a internação e a pós-alta.
9 - Esporte e Lazer
  • Realizar semanalmente sob a coordenação da Terapia Ocupacional. É trabalhado sobre uma modalidade esportiva, de escolha do grupo, proporcionando conhecimento à cerca dos esportes. Tem objetivo de proporcionar atividades lúdico-desportivas favorecendo melhor qualidade de vida, melhora da motivação, da autonomia e autoestima, melhora da força muscular, flexibilidade, diminuindo os sintomas de ansiedade e incapacidade, aumentando o condicionamento cardiorrespiratório, vitalidade do corpo e diversos outros benefícios proporcionados pela a prática regular de exercícios físicos e esportes. As atividades realizadas são: futebol, voleibol, jogo de peteca, caminhada externa e interna, ping-pong, dança, competições, atividade musical, desfiles, ginásticas, alongamentos e ginástica laboral.
10 - Jardinagem e horta
  • Realizar atividades estruturadas diariamente sob a coordenação da Terapia Ocupacional com usuários que se identificam com essas atividades como forma de manter e/ou desenvolver hábitos de trabalho, novos conhecimentos, sociabilidade, dentre outros.
11 - Grupo da beleza
  • Realizar semanalmente sob a coordenação da Terapia Ocupacional. É estimulado o interesse pela aparência pessoal usando como recursos maquiagem, manicure, penteado, tinturas, entre outros. Esta atividade proporciona prazer imediato, propiciando confiança aos usuários e melhorando a auto-estima e auto- confiança.
12 - Ginástica Laboral
  • Realizar semanalmente, por um profissional de Educação Física do SESI e acompanhamento da Terapia Ocupacional. O profissional ministra aulas de Ginástica Laboral para os funcionários e usuários do Instituto, objetivando contribuir para amenizar estresse e interação do grupo.
13 - Grupo Alonga Vida (Alongamento e Relaxamento)
  • Realizar sob a coordenação da Terapia Ocupacional, diariamente, sendo a primeira atividade do turno matutino. Além dos benefícios de relação do sujeito com seu meio, oportuniza a manutenção e/ou recuperação do movimento normal de membros e articulações desenvolvendo melhor mobilidade articular, agilidade, assim como auxilia no processo de restabelecimento ou construção da corporeidade dos usuários.
14 - Núcleo de Festas
  • Manter o núcleo responsável por organizar festas de aniversários, comemorativas e folclóricas, contando com a participação de técnicos e usuários no planejamento e execução, tais como: confecção de enfeites de ornamentação, apresentação de teatro, desfiles, ensaios, danças, entre outros. Algumas festas são abertas às famílias, no intuito de integração destes. A festa de aniversariantes do mês dos usuários é realizada sempre na última quarta-feira do mês e os aniversariantes do mês dos funcionários da instituição sempre é comemorado na segunda quarta-feira do mês, contando com a presença de toda a equipe técnica.
15 - Grupo de Geração de Renda
  • Realizar semanalmente, sob a supervisão da Terapia Ocupacional, este grupo proporciona independência, além da auto -valorização de si mesmo. Quando o trabalho é valorizado, este torna-se mais compensatório e lucrativo. Pode relacionar o mesmo com os grupos operativos (de manutenção).
16 - Grupo de Alta Hospitalar e Licença Terapêutica
  • Realizar às quintas-feiras a tarde coordenado pelo setor de terapia ocupacional com pacientes que receberam alta hospitalar e licença terapêutica. Tem como objetivo orientar sobre os procedimentos de alta hospitalar e licença terapêutica. Propicia as mesmas informações básicas como, a melhor adesão ao tratamento, através do entendimento sobre a doença, mecanismo e ação dos medicamentos, continuidade do tratamento nos pós alta, encaminhamento ao CAPS e horário de retorno a instituição aos que se ausentam de licença terapêutica.  Também são abordados temas sobre a importância da qualidade de vida, buscas de cursos ocupacionais e/ou profissionalizantes, relacionamento familiar dentre outros.
17 - Oficina de Memória e atenção
  • Realizar semanalmente, sob a coordenação da terapia ocupacional com objetivo de estimular as funções cognitivas (percepções, memória recente e retrógrada, noções espaciais e temporais, habilidades lógicas e verbais) enfatizando aspectos requeridos para a organização, aprendizagem e realização adequada das AVP’s (Atividade da Vida Prática).
18 - Grupo de Recepção de LT
  • Realizar semanalmente, com duração de uma hora, coordenado pela terapia ocupacional. O  Objetivo do Grupo é proporcionar um momento grupal, no qual os usuários possam relatar/ expor situações ocorridas no final de semana, projetos que foram desenvolvidos, dificuldades encontradas no convívio familiar e social, se conseguiram realizar alguma atividade e outras questões referentes ao tema. A partir da facilitação terapêutica e das trocas entre participantes pretende-se: identificar conflitos e dificuldades, promover oportunidades para exploração de capacidades de resolução de problemas e tomadas de decisões, melhorar a comunicação e proporcionar aprendizado útil à vida em comunidade, como também prepará-lo para sua alta.
19 - Grupo de Dança e Movimento
  • Realizar pela Terapia Ocupacional, onde os pacientes são orientados em exercícios de alongamento, consciência corporal, ritmo, danças folclóricas em roda e movimentos espontâneos. Dá-se ênfase ao trabalho com danças e músicas folclóricas. Exercícios de relaxamento ou trabalhos com a respiração encerram a aula deixando viva e consciente a sensação de bem-estar proporcionada pela dança e pelo “estar com o grupo”.
20 - Grupo de Música
  • Manter o grupo a todos os pacientes coordenado pela Terapia Ocupacional e colaboração de um voluntário, que interage os pacientes com a ajuda de violão. “A música é linguagem universal de sentimentos, registro de memória e está presente nas ações dos seres humanos como importante veiculo de comunicação”. O contato musical no grupo por meio de sons, tons, ritmos, melodias e movimentos, permitem aos usuários aprender a ouvir, entoar a voz e conhecer instrumentos.
21 - Oficina da Poesia
  • Manter o grupo a todos os usuários coordenado pela Terapia Ocupacional, ás terças- feiras. Tem como objetivo geral, fazer com que os pacientes assumam uma postura de poeta, consequentemente, o objetivo particular deveria ser a realização dessa utopia: fazer com que o usuário antes de ser um poeta propriamente dito, aceite o convite ao devaneio das palavras. Também, colabora e incentiva novos “olhares” sobre as coisas, pessoas, lugares e etc, criando um mundo de imaginação e criatividade.
22 - Grupo Novos Talentos
  • Manter o grupo a todos os usuários coordenado pela Terapia Ocupacional, ás terças- feiras. Tem como objetivo geral, fazer com que os pacientes assumam uma postura de poeta, consequentemente, o objetivo particular deveria ser a realização dessa utopia: fazer com que o usuário antes de ser um poeta propriamente dito, aceite o convite ao devaneio das palavras. Também, colabora e incentiva novos “olhares” sobre as coisas, pessoas, lugares e etc, criando um mundo de imaginação e criatividade.
23 - Grupo de Cinema
  • Realizar semanalmente, sob coordenação da Terapia Ocupacional. Consiste em despertar os usuários para novas relações sociais, através da música, declamação de poemas, brincadeiras e outros.
24 - Oficina da Criatividade
  • Realizar semanalmente, sob a supervisão da Terapia Ocupacional, com atividades diversas para que possam expressar seu entendimento de arte. São realizadas oficinas com vários tipos de materiais e objetivos. Neste tipo de oficina, também podem relacionar artesanatos e reciclagem.
25 - Oficina da Reciclagem
  • Esta oficina tem o intuito de propiciar atividades que usam materiais diversos, porém que já foram utilizados e, para alguns, que perderam sua utilidade. As atividades dão “vida” a objetos que perderam seu uso e que podem ser reaproveitados. Também está relacionado com as oficinas Geradoras de Renda.
26 - Grupo de Acolhimento
  • Realizar semanalmente com os pacientes novatos, porém todos que tem dúvidas podem interagir e se esclarecer. Este grupo oferece esclarecimentos da internação, do tratamento e normas e rotinas da instituiçã
27 - Oficina de Culinária
  • Este grupo acontece juntamente com o setor de nutrição, para auxílio, suporte, inserção, aprendizado, com os alimentos e conservação dos mesmos.
28 - Assembleia dos Usuários
  • Realizar uma reunião semanalmente, na segunda-feira, com usuários e equipe técnica (enfermagem, nutrição, serviço social e terapia ocupacional), que tem como objetivo discutir assuntos pertinentes ao funcionamento do grupo e da Instituição estimulando um indivíduo crítico, com valores e opiniões.
29 - Grupo Cidadania
  • O grupo cidadania  tem objetivo de orientar, estimular e promover  atitude de cidadania, levando os usuários a reflexão,  experimentação e a capacitação da prática social através da discussão e troca de experiências.  O mesmo acontece todas as quartas feiras às treze horas com duração de quarenta minutos, coordenado pelo setor de serviço social.
30 - Grupo Roda de Conversa
  • O grupo Roda de Conversa tem objetivo de integrar o usuário ao tratamento, estimular resgate da autoestima, contato interpessoal a fim de favorecer suporte e socialização. O mesmo acontece uma vez por semana, coordenado pelo setor de serviço social em parceria com setor de psicologia .
31 - Grupo Consciência Corporal
  • O estilo de vida atual, a rotina e as preocupações do dia a dia provocam uma falta de experiência corporal e sensorial nas pessoas, o que causa uma desconexão, uma falta de relação entre o corpo e a mente, uma falta de relação do corpo com os sentidos. O reconhecimento e a conscientização do próprio corpo, estimulando hábitos saudáveis, resultando na melhoria da qualidade de vida. O mesmo acontecerá uma vez na semana e é indicado para usuários que através da consciência corporal possa, interagir melhor consigo e com os outros.
1 - Funcionamentos do Serviço
  • Manter e ampliar grupos de trabalho, abaixo relacionados, pois são consideradas necessárias além das atividades realizadas nos grupos já denominados, outras que são imprescindíveis no oferecimento de um serviço de qualidade aos nossos usuários. Tais atividades são realizadas com atendimentos individuais ou sem a participação do usuário, mas a benefício deste.Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Tratamento (SADT) composto por:
    • Serviço de enfermagem
    • Serviço de farmácia
    • Serviço de psicologia
    • Serviço social
    • Serviço de terapia ocupacional
    • Serviço de nutrição e dietética

    E outros serviços vinculados aos usuários:

    • Serviço voluntário
    • Prestação de Serviço à Comunidade – PSC
2 - Setor de Administração
  • Melhorar na avaliação do PNASH;
  • Manter todas as documentações oficiais atualizadas;
  • Implantar o POP para todas as áreas;
  • Participar das Comissões;
  • Ampliar o número de leitos para 138;
  • Manter e efetuar convênios com Universidades e escolas técnicas;
  • Renovar os alvarás;
  • Manter atualizado exames periódicos;
  • Participar das reuniões técnicas;
  • Efetuar eventos como Festival de Sorvetes, Festa Julina, Confraternização de Natal;
  • Fazer contratações e demissões;
  • Fazer compras;
  • Fazer folha de pagamento;
  • Confeccionar escalas e auxiliar chefias de setores a fazerem escala de trabalho;
  • Coordenar equipe multiprofissional.
3 - Setor Médico
    • Participação do médico assistente e plantonista nas reuniões de família;
    • Acompanhamento diário aos usuários internados.
4 - Setor de Terapia Ocupacional
  • A proposta da Terapia Ocupacional é oferecer ao usuário a possibilidade de desenvolver sua capacidade de buscar autonomia, oferecer a possibilidade de exercer a capacidade do pensamento, por meio de construção livre de objetos, proporcionado pela relação humana. O processo do tratamento está centrado na avaliação e reabilitação através das habilidades cognitivas, perceptuais e cotidianas.
  • Continuidade aos procedimentos de rotina da Instituição;
  • Estabelecer parcerias (patrocinadores) para atividades sócio-recreativas fixas do setor (aniversariantes do mês, passeios, festa julina, natal e etc.);
  • Ampliar convênios junto as Universidades nos cursos de Terapia Ocupacional, Musicoterapia, Odontologia, Educação Física e outros que por ventura se fizerem necessários;
  • Atendimentos terapêuticos individuais e de grupo;
  • Realizar passeios (shopping, cinema, parques);
  • Elaborar ficha de avaliação terapêutica ocupacional para os prontuários;
  • Realizar oficinas terapêuticas rotineiras (reciclagem, artesanato, pintura, tapeçaria dentre outras).
  • Estabelecer junto ao serviço de psicologia do Instituto, rotina para relaxamento;
  • Continuar e aprimorar o projeto “Momento Expressivo e Novos Talentos”;
  • Acompanhar estagiários de Educação física (SESI) na Ginástica Laboral semanal;
  • Fortalecer a comissão de eventos do Instituto Espírita Batuíra, na promoção e divulgação dos eventos do hospital;
  • Acolhimentos de usuários, familiares, colaboradores e voluntários;
  • Orientação de usuários e familiares no processo de reinserção social e independência, através de reuniões e palestras;
  • Renovar, estabelecendo rotinas com voluntários profissionais de salão de beleza;
  • Incrementar a horta, com o objetivo de proporcionar ao usuário contato com a natureza, e auto sustentação do Instituto Espírita Batuíra de Saúde Mental;
  • Continuar com as caminhadas externas;
  • Ampliar as atividades sócio-recreativas já existentes como: festividades em datas comemorativas, sexta-feira cultural, festival de sorvete e etc. Inovar com atividades como: videoteca e futebol.
  • Mostrar para a equipe multidisciplinar a proposta terapêutica do setor de Terapia Ocupacional;
  • Criação de um espaço para exposição dos trabalhos realizados pelos usuários de preferência na entrada da Instituição, onde poderá ser visto por todos;
  • Elaborar painel ilustrativo, com as datas comemorativas que a Instituição oferece;
  • Promover sala de cinema com o intuito de oferecer aprendizado, tanto para a educação como para o lazer;
  • Realizar atividades elaboradas e funcionais para melhorar no desempenho das capacidades mentais de cada usuário.
5 - Setor de Nutrição e Dietética
  • O serviço de Nutrição e Dietética do Instituto Espirita Batuíra é responsável pela assistência nutricional ao paciente internado, procurando atender a todos de acordo com as necessidades nutricionais individuais. As ações a serem executadas para 2018:
  • Avaliação nutricional individualizada: acompanhar, controlar e avaliar os pacientes em meio de promoção, prevenção e recuperação através da avaliação nutricional feita após avaliação médica e diagnóstico. Estabelecendo a dieta do usuário, fazendo as adequações necessárias, prescrevendo e evoluindo em prontuário.
  • Acompanhar mapa de dietas: elaborar e acompanhar diariamente o mapa de dietas a serem oferecidas aos pacientes de necessitem de uma atenção rigorosa, devido as suas comorbidades associadas. Capacitar os funcionários para elaboração correta das dietas individuais.
  • Orientação da equipe multiprofissional sobre a prescrição dietoterápica: atualizar a equipe sobre o controle da ingestão de alguns pacientes de acordo com a dieta a ser oferecida.
  • Grupo Nutricional juntamente com a Terapia Ocupacional: objetivo de estimular e orientar os pacientes os benefícios de uma boa alimentação a fim de melhorar a saúde e aceitação da dieta oferecida aos usuários, dando o espaço da inserção dos mesmos no setor dietoterápico durante a manipulação das refeições.
  • Normatizar as atividades de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA): estabelecer que as atividades dentro da área de nutrição estejam dentro dos parâmetros estabelecidos para um segurança alimentar.
  • Promover e orientar a atualização e o aperfeiçoamento do profissional do setor de nutrição e dietética: através da capacitação dos funcionários com palestras e treinamentos para a melhoria dos mesmos de acordo com as Leis de Nutrição.
  • Supervisionar e acompanhar as atividades do setor de nutrição e dietética: através destes procedimentos o que se refere a aquisição, qualidade, armazenamento e estoque de gêneros, cumprimentos das normas de higiene na manipulação, no preparo de refeições e porcionamento dos pratos, higienização de utensílios, equipamentos e o local de trabalho.
  • Oficinas Culinárias: tem como objetivos ensinar aproveitamento de alimentos, modo de preparo, receitas com produtos mais acessíveis e estimulando-os a desenvolver habilidades manuais e organolépticas, orientando as como forma de reinserção ao mercado de trabalho, proporcionando a retomada de sua autonomia.
  • Palestras sobre alimentação e nutrição para pacientes com intuito de repassar alguns benefícios de uma alimentação saudável no dia a dia.
  • Conscientizar a população quanto as doações a instituição por ser filantrópica, necessitando de diversos alimentos a fim de melhorar o estado nutricional de alguns pacientes que necessitem de um cuidado especial diário de acordo com a sua patologia.
6 - Setor de Psicologia
  • Realizar atendimento psicológico individual promovendo a escuta adequada a cada paciente, buscando sua individualidade e singularidade;
  • Realizar atendimento psicológico grupal, sempre que possível, de acordo com a característica de cada indivíduo a fim de promover a interação social e a troca de vivências, estimulando a criatividade e espontaneidade de cada paciente;
  • Realizar atividades terapêuticas em grupos com objetivos específicos;
  • Reavaliar os grupos terapêuticos coordenados pelo setor de psicologia e propor atualizações, desenvolvimento de novos grupos e/ou extinção de grupos existentes, se necessário.
  • Participar da reunião de família, orientando os familiares quanto às normas e rotinas da instituição, esclarecendo dúvidas sobre a condição de saúde do familiar internado e seu tratamento; orientar a família sobre como proceder durante o período de internação; orientar a família sobre como lidar com o familiar enfermo no retorno ao convívio familiar; reforçar a importância do papel da família na saúde geral do indivíduo.